Fundação Escola Técnica Liberato Salzano Vieira da Cunha

MoodleConheça nossa fanpage Conheça nosso canal

Centro de Referência em Tecnologia Assistiva para a Educação Profissional

V Seminário de Acessibilidade - Liberato Inclusiva - III Seminário de Esporte Acessível

DATA: 22, 23 e 24 de junho de 2016

LOCAL: Auditório da Fundação Liberato

INSCRIÇÕES: Através do site www.liberato.com.br

CONTRIBUIÇÃO: 1 kg de alimento não perecível ou materiais de higiene e limpeza ou pacote de fraldas geriátricas (ENTREGUE NO CREDENCIAMENTO DO EVENTO)

PÚBLICO ALVO: Prefeituras, Entidades, Instituições, Empresas da região e demais interessados

INFORMAÇÕES: cpa@liberato.com.br - fone: (51) 3584-2056

PALESTRA DE ABERTURA “Internet das Coisas e Acessibilidade: possibilidades no cenário da inovação”, com Vitor Loreto, referência em inovação e tecnologia, Diretor da TagPoint.

FAÇA AQUI SUA INSCRIÇÃO;                                       

VEJA AQUI PROGRAMAÇÃO COMPLETA

 

 

Confira abaixo as últimas notícias sobre o CRTA:


CRTA  |  Pesquisa  |  Glossário  |  Links  |  Biblioteca Virtual  |  Softwares (TA)  


 

 

 

 

 


Conheça o CRTA

O Centro de Referência em Tecnologia Assistiva para a Educação Profissional – CRTA é um complexo educacional que se agregará a estrutura já existente da Fundação Liberato. Contempla o objetivo geral de implantar cursos inclusivos e mistos de educação profissional e tecnológica, com vistas à inserção qualificada dos egressos no mundo do trabalho, bem como promover o desenvolvimento de pesquisas na área da tecnologia assistiva.

O projeto contempla a construção de um novo prédio, que será um espaço aberto ao alunado da Fundação Liberato de um modo geral, e, por ser acessível, vai possibilitar às pessoas com deficiência uma participação ativa na área da inovação, envolvimento em projetos de pesquisa e desenvolvimento de produtos acessíveis, a partir de suas próprias necessidades.

O CRTA conta ainda com uma Equipe Multiprofissional de Apoio à Inclusão (EMAI) que realiza o apoio pedagógico, psicológico e técnico às práticas inclusivas, com ênfase no acompanhamento aos alunos com deficiência no ensino profissionalizante.

Dentre as ações do CRTA estão: Mostras de curtas­ metragens acessíveis, realizadas em parceria com as prefeituras de Novo Hamburgo e São Leopoldo, o Seminário de Acessibilidade Liberato Inclusiva e o Seminário de Esporte Acessível Liberato Inclusiva.

Voltar ao início

   


Pesquisa

Atualmente, três pesquisas estão em andamento através de parcerias entre o CRTA, Centro Renato Archer e Universidades da região, sob o financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do rio Grande do Sul (FAPERGS). Dentre os objetivos comuns aos projetos, está o de propor soluções tecnológicas e metodológicas para a inclusão no Ensino Médio e Educação Profissional.

NOME DO PROJETO: Tecnologia Assistiva e ensino profissionalizante: inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho
PARCERIA: Fundação Liberato e Feevale
OBJETIVO: Possibilitar a inserção de alunos do ensino médio junto a Universidade Feevale através do desenvolvimento de um projeto de pesquisa que irá investigar as necessidades de tecnologia assistiva para a inclusão de pessoas com deficiência no ensino médio profissionalizante.

NOME DO PROJETO:Pesquisa e produção de tecnologia assistiva: uma parceria entre a Educação Básica e o Ensino Superior
PARCERIA: Fundação Liberato e UERGS
OBJETIVO: Identificar necessidades das escolas públicas de educação básica que possuem Sala de Recursos Multifuncional  nos municípios de Novo Hamburgo e São Leopoldo, para promoção do atendimento educacional especializado de pessoas com deficiência.

NOME DO PROJETO: Tecnologias Assistivas para a inclusão no mercado de trabalho
PARCERIA: Fundação Liberato e Ulbra
OBJETIVO: Investigar as demandas de Tecnologias Assistivas em empresas da região e buscar soluções tecnológicas e metodológicas, visando à inserção de pessoas com deficiência no mercado de trabalho.

Voltar ao início

 


Glossário de termos em Acessibilidade e Tecnologia Assistiva

Acessibilidade - Condição ambiental adequada ao acesso e circulação de todas as pessoas, sejam elas portadoras de deficiência, idosas, obesas, cardíacos ou mulheres gestantes. A acessibilidade pode ser assegurada pelo uso de rampas, sinalização, mobiliário adaptado etc., que permita e facilite o acesso a locais de trabalho, lazer, transporte e reuniões.

Adaptação razoável - significa as modificações e os ajustes necessários e adequados que não acarretem ônus desproporcional ou indevido, quando requeridos em cada caso, a fim de assegurar que as pessoas com deficiência possam gozar ou exercer, em igualdade de oportunidades com as demais pessoas, todos os direitos humanos e liberdades fundamentais;

Comunicação - abrange as línguas, a visualização de textos, o braille, a comunicação tátil, os caracteres ampliados, os dispositivos de multimídia acessível, assim como a linguagem simples, escrita e oral, os sistemas auditivos e os meios de voz digitalizada e os modos, meios e formatos aumentativos e alternativos de comunicação, inclusive a tecnologia da informação e comunicação acessíveis;

Deficiência - Alguma restrição ou perda, resultante do impedimento, para desenvolver habilidades consideradas normais para o ser humano.

Deficiência auditiva - Redução na capacidade para ouvir sons, a qual varia em intensidade, de acordo com a classificação abaixo:

a) de 25 a 40 decibéis (db) - surdez leve;

b) de 41 a 55 db - surdez moderada;

c) de 56 a 70 db - surdez acentuada;

d) de 71 a 90 db - surdez severa;

e) acima de 91 db - surdez profunda; e

f) anacusia (ausência total de sensação sonora).

Deficiência física - Alteração completa ou parcial de um ou mais segmentos do corpo humano, acarretando o comprometimento da função física, apresentando-se sob a forma de paraplegia, paraparesia, monoplegia, monoparesia, tetraplegia, tetraparesia, triplegia, triparesia, hemiplegia, hemiparesia, amputação ou ausência de membro, paralisia cerebral, membros com deformidade congênita ou adquirida, exceto as deformidades estéticas e as que não produzam dificuldades para o desempenho de funções.

Deficiência mental - Funcionamento intelectual significativamente inferior à média, com manifestação antes dos dezoito anos e limitações associadas a duas ou mais áreas de habilidades adaptativas, tais como:

a) comunicação;

b) cuidado pessoal;

c) habilidades sociais;

d) utilização da comunidade;

e) saúde e segurança;

f) habilidades acadêmicas;

g) lazer; e

h) trabalho.

Deficiência múltipla - Associação de duas ou mais deficiências na mesma pessoa.

Deficiência visual - Acuidade visual igual ou menor que 20/200 no melhor olho, após a melhor correção, ou campo visual inferior a 20º (tabela de Snellen), ou ocorrência simultânea de ambas as situações.

Desenho universal - significa a concepção de produtos, ambientes, programas e serviços a serem usados, na maior medida possível, por todas as pessoas, sem necessidade de adaptação ou projeto específico. O “desenho universal” não excluirá as ajudas técnicas para grupos específicos de pessoas com deficiência, quando necessárias.

Diversidade - Diz respeito à multiplicidade de características que distinguem as pessoas. Valorizar a diversidade é promover a igualdade de oportunidades para cidadãos diferenciados por gênero, sexo, cor, opção sexual, crença etc., possibilitando-lhes acesso aos direitos e à cidadania.

Discriminação por motivo de deficiência - significa qualquer diferenciação, exclusão ou restrição baseada em deficiência, com o propósito ou efeito de impedir ou impossibilitar o reconhecimento, o desfrute ou o exercício, em igualdade de oportunidades com as demais pessoas, de todos os direitos humanos e liberdades fundamentais nos âmbitos político, econômico, social, cultural, civil ou qualquer outro. Abrange todas as formas de discriminação, inclusive a recusa de adaptação razoável;

Incapacidade - Uma desvantagem individual, resultante do impedimento ou da deficiência, que limita ou impede o cumprimento ou desempenho de um papel social, dependendo da idade, sexo e fatores socioculturais.

Inclusão profissional - Processo de inserção no mercado de trabalho de cidadãos que dele foram excluídos. No caso das pessoas com deficiência, a inclusão diz respeito, além de sua contratação, ao oferecimento de oportunidades de desenvolvimento e progresso na empresa.

Inclusão social - Processo de inserção na sociedade – nos mercados consumidor e profissional e na vida sociopolítica – de cidadãos que dela foram excluídos, no sentido de terem sido privados do acesso a seus direitos fundamentais.

Impedimento - Alguma perda ou anormalidade das funções ou da estrutura anatômica, fisiológica ou psicológica do corpo humano.

Referências

BRASIL. Ministério das Relações Exteriores. Decreto nº 6.949, de 25 de agosto de 2009. Promulga a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo, assinados em Nova York, em 30 de março de 2007. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d6949.htm> Acesso em 27 abr. 2015

GIL, Marta (coordenação). O que as empresas podem fazer pela inclusão das pessoas com deficiência. São Paulo: Instituto Ethos, 2002. Disponível em: < http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/export/sites/default/bndes_pt/Instituc... Acesso em 27 abr. 2015.

Voltar ao início

 


Links úteis para pesquisa de Tecnologia Assistiva

Voltar ao início

 


Biblioteca Virtual

Links de livros disponibilizados gratuitamente na internet.

ACESSIBILIDADE E TECNOLOGIA ASSISTIVA: PENSANDO A INCLUSÃO SOCIODIGITAL DE PESSOAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS

SONZA, Andrea Poletto (org.). Acessibilidade e tecnologia assistiva: pensando a inclusão sociodigital de pessoas com necessidades especiais. Bento Gonçalves, RS. 368p.,  2013

AMBIENTES COMPUTACIONAIS E TELEMÁTICOS NO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS COM ALUNOS COM PARALISIA CEREBRAL

GALVÃO FILHO, T. A. Ambientes computacionais e telemáticos no desenvolvimento de projetos pedagógicos com alunos com paralisia cerebral. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 178 p., 2004.

AS TECNOLOGIAS NAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS INCLUSIVAS

OMOTE, S.; GIROTO, C. R. M.; POKER, R. B. (Org.). As tecnologias nas práticas pedagógicas inclusivas. Marília/SP: Cultura Acadêmica, 238 p., 2012.

EDUCAÇÃO INCLUSIVA, DEFICIÊNCIA E CONTEXTO SOCIAL: QUESTÕES CONTEMPORÂNEAS

GALVÃO, N. C. S. S.; MIRANDA, T. G.; BORDAS, M. A.; DIAZ, F (Org.). Educação Inclusiva, deficiência e contexto social: questões contemporâneas. Salvador: EDUFBA, 354 p., 2009.

ESTUDANTES COM DEFICIÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR

PIMENTEL, S. C. (Org.). Estudantes com deficiência no ensino superior: construindo caminhos para desconstrução de barreiras. Cruz das Almas-Ba: NUPI/PROGRAD/UFRB, 2013.

INCLUSÃO DIGITAL E SOCIAL DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

GALVÃO FILHO, T. A.; HAZARD, D.; REZENDE, A. L. A. Inclusão digital e social de pessoas com deficiência. Brasília: UNESCO, 72 p., 2007.

INTRODUÇÃO À TECNOLOGIA ASSISTIVA

BERSCH, Rita. Introdução à tecnologia assistiva. Assistiva Tecnologia e Educação. Porto Alegre, RS, 20p., 2013.

O PROFESSOR E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA: FORMAÇÃO, PRÁTICAS E LUGARES

MIRANDA, T. G. (Org.); GALVÃO FILHO, T. A. (Org.) O professor e a educação inclusiva: formação, práticas e lugares. Salvador: EDUFBA, 491 p., 2012.

O USO PEDAGÓGICO DOS RECURSOS DE TECNOLOGIA ASSISTIVA. SONZA, Andréa Poletto, SALTON, Bruna Poletto; STRAPAZZON, Jair Adriano. O uso pedagógico dos recursos de tecnologia assistiva.  Porto Alegre : Companhia Rio-grandense de Artes Gráficas (CORAG), 2015

PESQUISA NACIONAL DE TECNOLOGIA ASSISTIVA

GALVÃO FILHO, T. A., GARCIA, J. C. D. Pesquisa nacional de Tecnologia Assistiva. São Paulo: Instituto de Tecnologia Social - ITS BRASIL e Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação - MCTI/SECIS, 68 p., 2012.

PORTAL DE AJUDAS TÉCNICAS PARA EDUCAÇÃO: EQUIPAMENTO E MATERIAL PEDAGÓGICO PARA EDUCAÇÃO, CAPACITAÇÃO E RECREAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA FÍSICA: TECNOLOGIA ASSISTIVA: RECURSOS DE ACESSIBILIDADE AO COMPUTADOR

BERSCH, Rita de Cássia Reckziegel; PELOSI, Miryam Bonadiu. Portal de ajudas técnicas para educação: equipamento e material pedagógico para educação, capacitação e recreação da pessoa com deficiência física: tecnologia assistiva: recursos de acessibilidade ao computador. Secretaria de Educação Especial - Brasília: ABPEE - MEC : SEESP, 66p., 2006

SOLUÇÕES ACESSÍVEIS: EXPERIÊNCIAS INCLUSIVAS NO IFRS

SONZA, Andréa Poletto; SALTON. Bruna Poletto, STRAPAZZON, Jair Adriano. Soluções acessíveis: experiências inclusivas no ifrs. Porto Alegre: Companhia Rio-grandense de Artes Gráficas (CORAG), 2014.

TECNOLOGIA ASSISTIVA

COMITÊ DE AJUDAS TÉCNICAS/SDH/PR. Tecnologia Assistiva. Brasília: CAT/SDH/PR, 138 p., 2009.

TECNOLOGÍA ASISTIVA EN ENTORNO INFORMÁTICO: RECURSOS PARA LA AUTONOMÍA E INCLUSIÓN SOCIOINFORMÁTICA DE LA PERSONA CON DISCAPACIDAD

GALVÃO FILHO, T. A.; DAMASCENO, L. L. Tecnología Asistiva en entorno informático: recursos para la autonomía e inclusión socioinformática de la persona con discapacidad. Madrid: Real Patronato sobre Discapacidad - Ministerio de Trabajo y Asuntos Sociales, 2008.

TECNOLOGIA ASSISTIVA (TA) - EXPERIÊNCIAS INOVADORAS / SOLUÇÕES DE ACESSIBILIDADE

MINISTÉRIO CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO; ITS BRASIL. Tecnologia Assistiva (TA) - Experiências inovadoras / Soluções de acessibilidade. São Paulo: ITS BRASIL/MCTI-Secis, 2012.

TECNOLOGIA ASSISTIVA NAS ESCOLAS: RECURSOS BÁSICOS DE ACESSIBILIDADE SÓCIO-DIGITAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

Instituto de Tecnologia Social - ITS BRASIL (Org.). Tecnologia Assistiva nas escolas: recursos básicos de acessibilidade sócio-digital para pessoas com deficiência. São Paulo: ITS BRASIL, 62 p., 2008.

TECNOLOGIA ASSISTIVA PARA UMA ESCOLA INCLUSIVA: APROPRIAÇÃO, DEMANDAS E PERSPECTIVAS

GALVÃO FILHO, T. A. Tecnologia Assistiva para uma escola inclusiva: apropriação, demandas e perspectivas. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 346 p., 2009.

 

Voltar ao início

 


Softwares gratuitos para download

Os softwares abaixo foram criados para auxiliar no desenvolvimento de tarefas cotidianas, e também acessibilizar o uso do computador para pessoas com deficiência. Os links redirecionam para os endereços dos respectivos desenvolvedores, para que se tenha acesso às informações mais atualizadas de cada ferramenta. Clique no nome do software para ter acesso ao site.

  • SCALA - Sistema de comunicação alternativa para letramento de pessoas com autismo.
  • Que fala! - Prancha de comunicação digital para Tablets, Smartphones e Computadores.
  • DOSVOX - Sistema para microcomputadores da linha PC que se comunica com o usuário através de síntese de voz, viabilizando o uso de computadores por deficientes visuais.
  • NVDA - Leitor de tela,que interage com o sistema operacional, capturando toda informação apresentada em formato textual, transformando–a em fala através do sintetizador de voz.
  • Motrix - Software criado para permitir o acesso de pessoas com tetraplegia ou deficiências motoras severas que impeçam o uso efetivo dos membros superiores.
  • eViacam - Controle do mouse por meio de movimentos da cabeça. O clique do mouse é acionado fixando-se por alguns segundos o ponteiro do mouse na região desejada na tela.
  • Head Mouse - Controle do mouse por meio de movimentos da cabeça. É possível configurar diferentes movimentos para o clique do mouse.
  • Mousekey - Teclado Virtual Silábico-Alfabético, elaborado com o objetivo de possibilitar a escrita de pessoas com dificuldades motoras, através do computador.
  • Eugénio, o gênio das palavras - Agente de software que funciona em conjunto com o programa Microsoft Word para sugerir palavras que completem o texto que está a ser editado.

Voltar ao início